Eletricista de SC recicla 100 mil lâmpadas durante 10 meses e decora casas para o Natal

Cidades | 27 de Novembro de 2018

 Foto: Divulgação/Jaime Batista da Silva

Foto: Divulgação/Jaime Batista da Silva

Trabalhando desde fevereiro, o eletricista Almir Arthur Boos reciclou 100 mil lâmpadas com o objetivo de decorar para o Natal as casas dele, da mãe e do irmão. Os imóveis ficam na rua Domingos Reichert, 186, em Blumenau, no Vale do Itajaí. Desde 2014, ele prepara a decoração com material doado por moradores e empresas.

 

No ano passado, o G1 contou a história dele, quando o local foi decorado com 60 mil lâmpadas. Em 2018, a quantidade aumentou. "São 40 mil lâmpadas a mais que no ano passado. Foi muito trabalhoso, mas foi muito recompensador. Tudo é diferente esse ano. É um dos melhores que eu fiz", afirma.

 

O telhado da casa foi todo coberto com 6,4 mil lâmpadas e um túnel de 21,7 metros foi construído com 9 mil delas. As luzes são acesas de segunda a quinta-feira, das 20h30 às 23h30, e de sexta a domingo, das 20h30 à 0h30. Os enfeites serão retirados em 6 de janeiro.

 

A decoração foi inaugurada na última sexta-feira (26). Um Papai Noel chegou em um carro também enfeitado e o evento contou ainda com uma máquina de neve. Segundo Almir, mais de 1 mil pessoas estiveram na abertura.

 

"Nunca vi tanta gente na minha vida. Foi uma coisa surpreendente para mim", disse.
Além das 100 mil lâmpadas usadas na decoração, Almir costuma ter outras de reserva para que sejam trocadas se alguma falhar.

 

"As pessoas dizem que eu sou maluco, mas imagina quanto tempo levaria para esse material se decompor? Pelo menos eu dou um destino", afirma.


Anos anteriores


Almir começou com a ideia de decorar a casa com lâmpadas no Natal de 2014. Naquela época, foram 7 mil. Em 2015, 12 mil lâmpadas. No ano passado, 20 mil.

 

"Pretendo continuar, se tiver saúde", disse.


A inspiração vem da lembrança do pai. "Eu perdi ele cedo, mas me lembro que ele gostava muito da data. Naquela época, não era lâmpada, eram velas no pinheiro. Sem isso, para ele, não existia Natal. Eu queria resgatar a tradição", contou.

Autor: G1 SC


Acidente fatal - Máquina tomba e operador infelizmente não sobrevive

Facebook

©Copyright 2018 - Todos direitos reservados a Rondônia Geral

O site não se responsabiliza por conceitos emitidos nos artigos e nas colunas assinadas e também pelo conteúdo dos anúcios de terceiros.